:: Juventude Ativa ICNV Abolição ::
                                     Evangelização

Obedecendo à ordem de evangelizar, você descobre
o genuíno significado da vida cristã

Evangelizar significa divulgar as boas novas, que Jesus Cristo veio buscar e salvar os perdidos. É compartilhar a promessa de vida eterna pela fé em Cristo, a todas as pessoas ao nosso redor. Mas por que evangelizar?

*Porque Deus mandou fazê-lo  

 
  É ordem do criador do universo, de Deus todo poderoso, autoridade suprema e final. Em Marcos 16.15 Jesus disse, “Vão pelo mundo e preguem o evangelho as pessoas”. Essa ordenança repete-se muitas vezes nas escrituras (MT 28.29; At1. 8; 2Tim 4.2). E mais, sendo Deus o que é, falando uma só vez seria suficiente. E o fato de que foi Deus quem ordenou já nos bastaria para que nos empenhássemos nesta tarefa.     Cantamos com todo entusiasmo, “nosso general é Cristo, seguimos os seus passos”, mas, dia-dia desobedecemos as suas ordens. Servi durante a segunda guerra mundial. Nas primeiras dez semanas de treinamento, a ênfase do curso foi obediência. Pouco aprendi, além disso, durante estas semanas. Desobedecer às ordens de um superior, simplesmente, não era tolerado. Resultaria em castigo imediato. Sendo de um general, seria motivo de corte marcial e provável desligamento desonroso das forças armadas.      Sim, na verdade, Jesus é o nosso general, porém será verdade que seguimos as suas ordens? Jesus questionou: “Por que vocês me chamam de Senhor, Senhor e não fazem o que eu digo?” (Lc 6:46) Isto não tem sentido. Se Ele é Senhor, então preciso fazer o que Ele diz. Se não fizermos, Ele não é o nosso Senhor. Sendo assim, devemos parar de chamá-lo com este título. Entretanto devemos lembrar que “Cristo morreu e voltou a viver para ser Senhor de vivos e de mortos” (Rm 14.9). O grande plano de Deus tem por finalidade que toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai (Fp 2.11). Foi Jesus, o Senhor, General de todas as forças do universo que deu as ordens: Evangelize, evangelize, evangelize. Precisamos mais motivo do que esse? O apóstolo Paulo disse, “Ai de mim se não pregar o evangelho!” Afirmemos a mesma coisa!

 
*Porque sem Jesus este nosso mundo está totalmente perdido

        
Os governos do mundo já não sabem o que fazer para conter a venda e o uso de drogas; para refrear o aumento da violência, da corrupção e da desonestidade entre lideres do país; para solucionar o problema do desemprego, pobreza, fome, guerras, terrorismo, doenças, seqüestros e assaltos. E pior, constatamos que a maior parte dos seis bilhões de habitantes do planeta Terra ainda está sem o Evangelho. Não sabem nem sequer quem é Jesus, muito menos porque Ele veio ao mundo e como ser salvo eternamente pela fé nEle.     Somente aqui no Brasil, cerca de sete mil pessoas morrem a cada dia! A maioria sem conhecer o evangelho. No mundo inteiro esse número chega a meio milhão por dia, mais do que uma lotação do estádio do Maracanã.     Assisti uma reportagem na TV na qual um gato caiu num bueiro e não conseguiu sair. Chamaram o corpo de bombeiros, a população da vizinhança se reuniu, e todos os recursos possíveis foram usados para salvar o gato. Só um gato. E parece que somos indiferentes ao fato de que há gente, muita gente, bem perto de nós, pessoas, seres humanos feitos a imagem de Deus, caídos e presos no pecado. Não podendo escapar e destinados a eterna perdição. Quando Jesus viu as multidões, compadeceu-se delas porque estavam aflitos e exaustos como ovelhas que não têm pastor. E nós deixamos nosso vizinho morrer e ir para o inferno, sem lhe oferecer o Evangelho, as boas noticias de que Jesus Cristo veio salvá-lo e dar-lhe a vida eterna. Mas, viramos o mundo pelo avesso para salvar a vida de um gato. Inacreditável, não?

 
*Porque somente o evangelizar produz resultados permanentes 

   Jesus declara: “Eu os escolhi para irem e darem fruto, fruto que permaneça” (Jô 15.16). Lamentável observar alguém viver sua vida sem fazer nada. Mais triste ainda, verificar alguém se esforçar, trabalhar, economizar durante muitos anos e finalmente conseguir uma casa própria com todo conforto para depois perder tudo num incêndio ou numa enchente.
     O grande rei Salomão fez uma pergunta séria que nós devemos endereçar a nós mesmos. “Que proveito tem o homem de todo seu trabalho, com que se afadiga debaixo do sol” (Ec 1.3)? Ele, por sua vez, respondeu com essas palavras: “Considerei todas as obras que fizeram as minhas mãos... e nenhum proveito havia debaixo do sol” (Ec 2.11). Salomão fez muitas grandes obras, incluindo o magnífico templo em Jerusalém, o palácio, jardins, represas... No entanto, no fim de sua vida, reconheceu que nada disso era permanente. De fato, mal ele morreu, o seu império desmoronou. O templo foi saqueado outras obras destruídas. Nada “debaixo do sol” (as coisas deste mundo) permanece, tudo terá um fim.     Há somente um esforço que produz resultados duradouros: Evangelizar! Sim, porque resulta em almas salvas, eternamente redimidas. Cada pessoa que podemos levar aos pés da cruz de Cristo, explicando que somos salvos pela fé em Jesus, sem as obras da lei, orando por ele e com ele, persuadindo-o a crer em Cristo, que estará no céu de Deus, junto conosco para todo sempre. Tudo mais será destruído. Como o poeta disse: “Há somente uma vida que logo passará, somente o que fizemos por Cristo permanecerá”.     Salomão termina seu livro de Eclesiastes com estas palavras: “Agora que já se ouviu tudo, aqui está a conclusão: Tema a Deus e obedeça aos seus mandamentos”. Boa conclusão. Pois, se obedecemos pelo menos a última e mais urgente ordem de Jesus, iremos mundo afora evangelizando, ganhando almas para Cristo, obedecendo às ordens de Deus, dando esperança ao mundo perdido e produzindo fruto que permanece... Quem o fizer poderá dizer no fim da vida, junto com o apóstolo Paulo, “Assim, no dia de Cristo, eu me orgulharei de não ter corrido nem me esforçado inutilmente” (Fp 2.16)



 Harold Reimer – Diretor fundador da Organização Palavra da Vida (Fonte: revista ENFOQUE, ano III, nº 9 da Organização Palavra da Vida) Esse texto foi extraído da revista Cristã – 4º trimestre - 2002